A tranquila e cristalina praia de água doce – terra de pomeranos

Despretensiosamente, resolvi conhecer uma cidade banhada pela Laguna dos Patos (popularmente chamada de ‘Lagoa dos Patos’). A escolhida foi São Lourenço do Sul, terra de descendentes pomeranos 

 

São 5km de praias de água doce encantadoras, com marolas cristalinas à sombra de belas árvores. Os antigos casarios à beira reservam charme extra ao local.  

Praia. Crédito de imagem Surian Dupont
Praia. Crédito de imagem Surian Dupont

Povo receptivo e hospitaleiro, sua subsistência vem da agricultura e da pesca, principalmente.

 

Barcos de pesca no canal. Crédito de imagem Surian Dupont
Barcos de pesca no canal. Crédito de imagem Surian Dupont

 

Uma das mais procuradas para veraneio da chamada Costa Doce (devido à laguna de água doce), e uma das mais belas também. Possui boa infra-estrutura de pousadas e campings, além de casas para aluguéis de temporadas. Fiquei hospedada na Pousada Velho Estaleiro, um pouco afastada, bastante confortável e bem recepcionada pelo proprietário. Não disponibiliza café da manhã (diária R$160,00) – Pousada Velho Estaleiro

Pousada Velho Estaleiro. Crédito de imagem Surian Dupont
Pousada Velho Estaleiro. Crédito de imagem Surian Dupont

 

Como ainda não tínhamos comido nada pela manhã ainda, saímos em busca de uma cafeteria, padaria. Não tivemos muita sorte neste sentido, em virtude do feriado. O Mercado Casa Verde estava aberto, entramos buscando algo para comer. Paramos em frente ao balcão de frios e fomos atendidos por uma simpática moça, que nos perguntou o que procurávamos. Quando falei que queríamos um desjejum, ela prontamente nos perguntou se poderia ser torradas (misto quente), pois não costumava servir ali, apenas vendia produtos para levar. Propôs-se a fazer para nós, a título de exceção. Serviu-nos também, xícaras de café com leite. Tudo feito com carinho. Descobrimos que ela era a proprietária do estabelecimento. Nos apresentou também os biscoitos amanteigados de nozes, receita de família, uma delícia.  

 

Seguindo nosso passeio, fomos conhecer um pouco da zona rural e da história da colonização desta região, o Caminho Pomerano. Trata-se de um roteiro rural, composto por seis propriedades de descentes de pomeranos. Cada um com sua peculiaridade, que nos receberam com muita alegria e prontos para apresentar suas tradições, música, culinária e dialetos.

Caminho Pomerano. Crédito divulgação
Caminho Pomerano. Crédito divulgação
Igreja Nossa Sra da Conceição de Boqueirão - primeira igreja do município construída em 1813.-Crédito de imagem Surian Dupont.
Igreja Nossa Sra da Conceição de Boqueirão – primeira igreja do município construída em 1813.-Crédito de imagem Surian Dupont.

 

Durante o passeio, o visitante passará pela propriedade Flajoke Arte e Cultura – Artesanato e História, onde conhecerá a história da extinta província da Pomerânia, dos imigrantes pomeranos, do Casamento Pomerano e seus rituais de celebração. As histórias são contadas pelo Convidador, um dos personagens do Casamento Pomerano. Lá também eles vendem o artesanato produzido na região e o Maischnaps (aguardente), elaborada com ervas.

  

A próxima parada, a Casa das Cucas Pomeranas, onde terão a oportunidade de conhecer a história e o processo de fabricação da cuca pomerana, bem como sua relação com as festas típicas. 

 

Logo depois desta parada de dar água na boca, vem à Casa das Schimier, que produz o produto de mesmo nome a partir dos frutos dos pomares da propriedade, cultivados de maneira orgânica, sem o uso de agrotóxicos. Enquanto os visitantes conhecem as hortas e os pomares, o proprietário explana sobre todo o processo, desde o plantio até o preparo da schimier e das conservas, técnicas que o proprietário aprendeu com sua mãe. O almoço na propriedade é caseiro e uma delicia (R$30,00p.p.).

Mesa do almoço colonial Casa das Schimier. Crédito de imagem Surian Dupont
Mesa do almoço colonial Casa das Schimier. Crédito de imagem Surian Dupont
Mesa do café colonial. Crédito de imagem Surian Dupont
Mesa do café colonial. Crédito de imagem Surian Dupont
Deliciosas Schimiers no pão colonial. Crédito de image Surian Dupont
Deliciosas Schimiers no pão colonial. Crédito de image Surian Dupont

 

Após o almoço, a visita será a Família Klassen – Queijaria e Artesanato em flores secas. Existe um pequeno armazém, onde no teto ainda estão expostos alguns arranjos de flores secas, os quais eram produzidos pela filha do proprietário. Dentro desse cercado há também algumas árvores, nas quais em alguns troncos, galinhas e gansos fazem ninhos para lá depositar seus ovos. A propriedade retrata o espaço rural: açúdes, hortas e uma grande variedade de animais de diferentes portes e espécies. 

 

Seguindo caminho, a Heiden Haus, local que abriga pequeno acervo de antiguidades, utensílios domésticos, peças de vestuário reunidas na família e na comunidade. Depois, os turistas são conduzidos até a sala de estar da residência, onde estão expostos cerca de 50 relógios de parede de tamanhos, idade e origens diversas. Os turistas podem ainda adquirir licores, compotas e artesanato produzidos pela proprietária.

 

E para terminar, a propriedade Inez Klug – Plantas medicinais e Gastronomia tem entre seus atrativos uma mandala de ervas medicinais, onde os turistas se reúnem e recebem explicações sobre os benefícios e malefícios das plantas. A arquitetura de alguns prédios do século XIX, em meio às belas paisagens do interior do Rio Grande do Sul, também farão parte do passeio e encantarão os visitantes. 

Noz que encontramos no caminho. Crédito de imagem Surian Dupont
Noz que encontramos no caminho. Crédito de imagem Surian Dupont

 

#Dica: A melhor forma de fazer este passeio é marcando antecipadamente, com empresas locais. Eu me aventurei a fazê-lo de carro, sem agenciá-lo e a maioria dos pontos turísticos estavam fechados. Reserve o dia todo para aproveitar e aprender um pouco mais sobre este povo. Visitar a colônia de pomeranos e ter contato com uma rica cultura de um “país” que não existe mais, mas que conserva histórias dela. Chegaram à região em 1858, saindo do norte da Polônia e do norte Alemanha (extinta Prússia) trazendo com eles, os costumes do país natal. 

 

Você voltará com uma linda bagagem, pois a paisagem é linda, além de muitas histórias deste povo simpático e de cultura singular. Conheça a costa doce e comente aqui o que você achou.

Mais imagens:

Paisagem do caminho Pomerano. Crédito de imagem Surian Dupont
Paisagem do caminho Pomerano. Crédito de imagem Surian Dupont
SONY DSC
Crédito de imagem Surian Dupont
Orla conta com a arte de Darcy Hax. Crédito de imagem Surian Dupont.
Orla conta com a arte de Darcy Hax. Crédito de imagem Surian Dupont.